MAGISTÉRIO DA IGREJA

 
 
Que é o Magistério da Igreja?
 
Categoria: Igreja
 
Publicado em 1 de fevereiro de 2012
 
Sentando em um barco, encontrava-se o Divino Mestre ensinando à multidão que, as margens do lago, escutava a serena e encantadora tonalidade da voz de Deus. Ali ensinava Ele por meio de muitas parábolas, entre elas a do semeador. “Disse ele: Um semeador saiu a semear. E semeando, parte da semente caiu ao longo do caminho; os pássaros vieram e a comeram. Outra parte caiu em solo pedregoso, onde não havia muita terra, e nasceu em seguida, porque a terra era pouco profunda. Logo, sem embargo, quando o sol nasceu, se queimou, por falta de raízes. Outra sementes caíram entre os espinhos: os espinhos cresceram e a sufocaram, Outras, enfim, caíram em terra boa: deram frutos, cem por um, sessenta por um, trinta por um” (Mt 13, 4-8). Que simboliza esta semente? A Palavra de Deus (cf. Mt 13, 19), seja ela contida na Sagrada Escritura ou na Sagrada Tradição.
 
Entretanto, será que Deus deixaria sua Palavra Eterna e Imutável à mercê do Maligno – como alude esta parábola – ou a abandonaria em um solo pedregoso ou entre os espinhos (cf Mt 13, 19-22), deixando assim exposta às inúmeras intempéries que os séculos produzem?
 
Foi justamente para preservar dos inúmeros males que pudesses sobrevir, que preparou um terra boa e fértil a qual, acolhendo a semente sã, rendesse frutos “cem por um, sessenta por um, trinta por um” (Mt 13, 23). Este solo fecundo se chama Magistério da Igreja, ao ser ouvido e compreendido, ensina aos demais a doutrina infalível. Sua altíssima missão é: proteger a seu Povo dos desvios e dos relaxamentos, e garantir-lhe a possibilidade objetiva de professar sem erro a fé autêntica [1]. O Magistério é um instrumento que nos garante estar de acordo com a doutrina dos Apóstolos, ensinada a eles pelo próprio Divino Mestre. Portanto, a obrigação do Magistério está em cuidar que o povo de Deus permaneça na verdade. Assim, “para executar este serviço, Cristo dotou os pastores do carisma da infalibilidade em matéria de fé e de costumes” [2].
 
Se não fosse o Magistério…
Sem o Magistério o grande e belo edifício da doutrina verdadeira estaria sujeito a infiltração da heterodoxia [3] e, assim, poderia mesclar-se com o erro, um antro de confusão, caos e horror. A própria Igreja, fonte da luz e da união fraterna, seria um abismo de desordem e desunião. E, como consequência, deixaria de caminhar rumo ao cumprimento do desejo de Deus: que todos sejam um só coração e uma só alma (cf. 1Pd 3,8).
 
Imaginemos, por exemplo, uma grande cidade onde vivam milhões de pessoas. Podemos dizer que quase todos os habitantes possuem um relógio. Portanto, nessa cidade existem milhões de relógios. São inúmeros, mas não serviria de nada se não houvesse um relógio posto por Deus, chamado sol, pelo qual os homens pudessem saber a hora precisa. Os relógios particulares entram em desacordo, um adianta, outro atrasa. Por causa da soberba humana, a pessoa não quererá reconhecer que seu relógio está equivocado, e que o outro está correto. Desse modo sucederia que, por falta de relógio infalível, segundo o qual todo os outros devem ser regulados, ninguém teria a hora correta. Esta imagem ilustra algo da mente humana: cada homem pensa a sua maneira. Argumentam, discutem, e acabam n]ao convencendo-se inteiramente. Ou há alguém capaz de determinar com acerto: “Isto é tal coisa!”, ou ninguém acaba conhecendo a verdade.
 
Quando na Idade Média a ciência havia progredido o bastante para que se pudessem fabricar relógios mecânicos, estes começaram a ser colocados nas torres dos templos católicos. Por isso, dizia-se, com muita poesia, que a a Igreja indicava a hora correta do pensamento humano. Para Ela, todos se dirigem corrigindo seus “relógios” individuais, ou seja, suas mentes. Em matérias tão essenciais para nós, como Fé e moral, era necessário que houvesse alguém com a missão de ensinar e que não caísse em equívocos ao interpretar a Revelação. Este é o “relógio” que regula a humanidade: o Magistério da Santa Igreja Católica Apostólica Romana [4]. Se o mundo o abandona, vá se deixando invadir pelo desatino e por toda sorte de extravios. Por isso, é preciso que creiamos firmemente naquelas definições que o Magistério da Igreja declara como sendo reveladas por Deus e como ensinamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo [5].
 
“Quot caput tot setentia”
O Papa Leão XIII, em poucas palavras, comenta a necessidade de que exista este princípio ordenador de tudo. “Se a doutrina celestial de Jesus Cristo, ainda que em grande parte esteja consignada em livros inspirados por Deus, houvesse sido entregue aos pensamentos dos homens não poderia por si mesma unir aos espíritos” [6].
 
Este ensinamento do Papa nos faz recordar aquele antigo provérbio tão comum a nosso olhos: “Quot caput tot setentia” (cada cabela uma sentença). Esse adágio nos dá a oportunidade de explicar o motivo pelo qual ao longo dos tempos foram surgindo várias indicações com a intenção de dar uma sentença correta – ou melhor, de acordo com seus interesses – às diversas passagens da Sagrada Escritura que poderiam parecer um pouco obscuras ou difíceis de serem interpretadas. Cada uma desta ideias inusitadas e inauditas impregnadas da livre interpretação pode ser comparada a uma cabeça com sentenças distintas das demais. Sem embargo, ocorre que Nosso Senhor é a única Cabeça de uma único Corpo, e foi a este único Corpo que Ele entregou o “múnus” de ensinar.
 
Igreja, coluna e sustentáculo da verdade (Cf. 1Tm 3,15)
Por esta razão, o mais augusto e valiosos dos tesouros, o patrimônio sagrado da fé também chamado de “depositum fidei”, contido na Sagrada Tradição e na Sagrada Escritura, foi confiado pelos apóstolos à totalidade da Igreja [7]. “Mas para que o Evangelho sempre se conserva-se inalterado e vivo na Igreja, os Apóstolos deixaram como sucessores os bispos, entregando-lhes seu próprio encargo de Magistério” [8]. A Igreja, portanto, tem a assistência do Espírito Santo para guardar santamente, explorar mais profundamente, anunciar e expor com fidelidade toda a verdade revelada [9]. O Magistério é o eco da voz do Divino Mestre que continuamente fala aos homens e que faz ouvir através da Igreja. E por isso, Nosso Senhor a fundou e a conservou: para transmitir-lhe a continuação da mesma missão que Ele recebeu de Deus Pai [10].
 
Foi aso 12 Apóstolos que o Divino Mestre disse: “Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizadas em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que os prescrevi” (Mt 28, 19, 20). E também: “Quem os ouve, a mim ouve; e quem os rechaça, a mim rechaça; e quem me rechaça, rechaça àquele que me enviou” (Lc 10, 16).
 
Entretanto, não era somente às nações da época dos Apóstolos que Nosso Senhor se referia ao dar o mandato de pregar o Evangelho. Pois Ele “quer que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade” (1Tm 2, 4). Essa sua vontade salvífica não admite nenhuma exceção nem inclusive limitação por parte do tempo, e por isso promete: “[...] estarei com vós até o final dos tempos” (Mt 28, 20).
 
Acerca disso, escreve São Jerônimo: “Quem promete estar com seus discípulos até a consumação dos séculos mostra com isso que seus discípulo viverão para sempre, e que Ele mesmo não cessará de estar com os crentes” [11]. Mas, acrescenta a Encíclica Satis Cognitum: “Como haveria de suceder isto unicamente com os apóstolos, cuja condição de homens lhes sujeitavam à lei suprema da morte? A Providência divina havia, pois, determinado que o Magistério instituído por Jesus Cristo não estaria restringido aos limites da vida dos apóstolos, mas que duraria sempre” [12].
 
Caminho mais seguro
Deus depositou em nossos corações um anseio e uma sede pela verdade, que ainda que já comece a ser saciada aqui na Terra, apenas obterá sua plenas satisfação na Visão Beatífica, onde veremos face a face Aquele que é a Própria Verdade (Cf. Jn 14,6). No entanto, aqui neste vale de lágrimas não sempre encontramos esta verdade, e devido ao pecado original facilmente caímos no erro. Assim, a fim de que sem grandes dificuldades pudêssemos alcançá-la, Deus nos enviou Seu Filho para dar testemunho dela (Cf. Jn 18, 36) e depois fundou “a Igreja de Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade” (1Tm 3, 15), para que Ela, exercendo sua autoridade em nome de Nosso Senhor, nos apresente a interpretação autêntica da palavra de Deus escrita ou transmitida [13].
 
O Magistério é, portanto, o caminho mais seguro para – juntamente com a Sagrada Escritura e a Tradição – subir aos tesouros inestimáveis de Deus, do qual somos filhos e herdeiros.
 
Por Lucas Alves Gramiscelli
 
[1] Cf. CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA, n. 890.
[2] Idem.
[3] Heterodoxo: aquello que no es ortodoxo, esto es, que no está de acuerdo con la doctrina verdadera.
[4] CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. n. 19. Out. 1999. Os três pilares da piedade “pliniana”. p. 23.
[5] Cf. CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA, n. 891.
[6] León XIII, Carta Encíclica Satis Cognitum, n. 12. ASS 28 (1895-96) p. 711 ss.
[7] Cf. CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA, n. 84.
[8] Concílio Vaticano II, Constitución dogmática Dei Verbum, n. 7. In AAS 58 (1966) p. 820.
[9] Cf. CIC, Can. 747 § 1.
[10] Cf. León XIII, Carta Encíclica Satis Cognitum, n. 7.
[11] San Jerónimo, In Matth. IV, 28, 20. Cf. Leão XIII, Carta Encíclica Satis Cognitum, n. 15. ASS 28 (1895-96) 711 ss.
[12] León XIII, Carta Encíclica Satis Cognitum, n. 15. ASS 28 (1895-96) 711 ss.
[13] Cf. Concílio Vaticano II, Constitución dogmática Dei Verbum, n. 10. In AAS 58 (1966) p. 822.

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!