LITURGIA DIÁRIA

29/05/2016 06:00

    

LITURGIA DIÁRIA

 

        

 9° Semana do Tempo Comum    29/05/2016 (C) 

(Verde, Glória, Creio I Semana do Saltério)

Primeira Leitura (1Rs 8, 41-43) 
Responsório (Sl 116)
Segunda Leitura (Gl 1, 1-2.6-10)
Evangelho (Lc 7, 1-10) 
 
 
 
HOMILIA DIÁRIA
 

Anúncio do Evangelho (Lc 7,1-10)
 

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.
 

Naquele tempo, 1Quando acabou de falar ao povo que o escutava, Jesus entrou em Cafarnaum.

2Havia lá um oficial romano, que tinha um empregado a quem estimava muito e que estava doente, à beira da morte. 3O oficial ouviu falar de Jesus e enviou alguns anciãos dos judeus, para pedirem que Jesus viesse salvar seu empregado.

4Chegando onde Jesus estava, pediram-lhe com insistência: “O oficial merece que lhe faças esse favor,5porque ele estima o nosso povo. Ele até nos construiu uma sinagoga”.

6Então Jesus pôs-se a caminho com eles. Porém, quando já estava perto da casa, o oficial mandou alguns amigos dizerem a Jesus: “Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa. 7Nem mesmo me achei digno de ir pessoalmente ao teu encontro. Mas ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado. 8Eu também estou debaixo de autoridade, mas tenho soldados que obedecem às minhas ordens. Se ordeno a um: ‘Vai!’, ele vai; e a outro: ‘Vem!’, ele vem; e ao meu empregado: ‘Faze isto!’, ele o faz’”.

9Ouvindo isto, Jesus ficou admirado. Virou-se para a multidão que o seguia, e disse: “Eu vos declaro que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé”. 10Os mensageiros voltaram para a casa do oficial e encontraram o empregado em perfeita saúde.

 

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

 

Homilia de D. Anselmo Chagas de Paiva, OSB – IX Domingo do Tempo Comum – Ano C

 A fé do centurião

Lc 7,1-10
Caros irmãos e irmãs,

 
Neste Domingo a Palavra de Deus nos convida a refletir sobre a beleza da experiência de fé.  O Evangelho nos leva até à cidade de Carfarnaum, local onde serve de cenário para mais um milagre operado por Jesus.  Cafarnaum era uma cidade de fronteira e possuía uma guarnição militar com tropa de soldados de Herodes Antipas.  O personagem central é um centurião, ou seja, um oficial do exército de Herodes, certamente um pagão de origem Síria.  A perícope evangélica nos diz que este oficial tinha um servo a quem muito estimava e que estava gravemente enfermo (v. 2).  Como pagão, ele não ousava aproximar-se de Jesus e, por isto, envia a Jesus uma delegação, para que possa obter dele a cura para o seu servo.

 
O texto nos mostra que os delegados judeus enviados pelo centurião intercedem com insistência a seu favor e justificam: “Ele ama a nossa nação, e até nos construiu uma sinagoga” (v. 5).  Jesus segue com eles para a casa do centurião, mas no caminho, recebe uma mensagem trazida pelos seus amigos: “Senhor, não te incomodes, porque não sou digno de que entres em minha casa; nem mesmo me achei digno de vir ao teu encontro.  Diz, porém, uma palavra, para que o meu servo seja curado” (v. 6-7).  O texto nos mostra que o centurião acredita no poder salvífico de Jesus.  Basta que Jesus diga uma única palavra para que e o seu servo seja curado.

 
E Jesus, ao receber este recado por meio dos subordinados do centurião, admirou a fé desse homem: “Eu vos declaro que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé” (cf. Lc 7,9). De fato, mesmo sendo uma pessoa que não pertencia ao povo da aliança, esse oficial se mostra como um exemplo de virtudes. Ele manifestou a caridade para com o próximo, pois estava pedindo ajuda não para si mesmo, mas para um dos seus servos, que se encontrava enfermo; demonstrou também uma grande fé e uma enorme confiança na pessoa de Jesus; e ainda mostrou ser humilde, ao ponto de pedir apenas uma palavra do Senhor, sem necessitar da sua presença junto ao doente.

 
A humildade, como de fato, era uma virtude apreciada em Israel.  Os rabinos ensinavam que Abraão era um homem humilde.  De Moisés se diz que era o mais humilde de todos os homens da terra (Nm 12,3).  O centurião pode ser identificado como um homem humilde porque ele se humilha, solicitando a ajuda dos chefes dos judeus e chega ao ponto de julgar-se indigno de ir ter-se pessoalmente com Jesus.  Ele respeita o costume dos judeus, pois sabe que eles não podem se encontrar com os pagãos e não quer que Jesus venha correr o risco de ficar contaminado, entrando na sua casa.  Basta que Jesus dê uma ordem e a doença que atinge o seu servo irá desaparecer.

 
O texto não apresenta a palavra milagrosa de Jesus, apenas faz constatar a cura realizada à distância. O milagre da cura do servo do centurião apresenta um aspecto bem específico: Jesus não se encontra com o doente.  Eles não se falam; não se tocam e estão longe um do outro.  A cura é realizada mediante uma palavra pronunciada à distância.  Podemos observar que neste episódio a palavra de Jesus revela todo o seu poder. Mesmo não estando presente de forma visível neste mundo, Jesus continua realizando os mesmos prodígios.  Basta que tenhamos a mesma fé do centurião e acreditemos na eficácia da ação de Jesus. A palavra de Jesus é eficaz também em nossos dias.

 
Este centurião é também para nós um exemplo de homem que sabe pedir. A sua fé ganhou a admiração de Jesus.  Uma fé humilde, mas também corajosa. O centurião colocou o seu servo enfermo nas mãos de Jesus.  Ele sabia que Jesus só poderia fazer o bem.  Ele confiou no poder de Jesus.

 
O exemplo desse oficial romano foi considerado tão importante para a Igreja que até se tornou parte da liturgia eucarística. De fato, antes da comunhão o sacerdote diz: “Felizes os convidados para a Ceia do Senhor. Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”, e toda a assembleia responde com as palavras do centurião: “Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha morada, mas dizei uma palavra e serei salvo”.

 
Além da humildade, o centurião manifesta ser portador de uma grande fé, que fez o Cristo ficar admirado.  O texto nos leva a perceber que também na vida, este centurião não é um homem que olha os outros do alto de seu cargo, não faz pesar sua superioridade, mas sabe colocar-se ao lado dos mais humildes.  O texto evangélico descreve o seu perfil como um homem bom, sensível ao sofrimento do outro e capaz de estima para com seu empregado (cf. Lc 7,1); homem querido pelo povo por ser caridoso e religiosamente sensível, pois mesmo sem ter religião, construiu uma sinagoga para os judeus (cf. Lc 7,5). Apesar de não conhecer Jesus pessoalmente acredita nele como o Senhor da Vida e radicalmente crê na sua Palavra. A fé não tem fronteiras.

 
Jesus elogia a fé do oficial romano, de um pagão, de um homem taxado de impuro pela religião oficial, portanto, não beneficiário das bênçãos de Deus. É justamente o contrário do que aconteceu. Mostrou ter ele uma fé corajosa e sólida, a ponto de ser ele elogiado por Jesus.

 
Em virtude do milagre ter sido realizado em prol de um estrangeiro, a liturgia traz para a nossa reflexão na primeira leitura um significativo trecho da oração de Salomão, onde diz: “Senhor, pode acontecer que até um estrangeiro que não pertence a teu povo, Israel, escute falar de teu grande nome, de tua mão poderosa e do poder de teu braço. Se, por esse motivo, ele vier de uma terra distante, para rezar neste templo, Senhor, escuta então do céu onde moras e atende a todos os pedidos desse estrangeiro, para que todos os povos da terra conheçam o teu nome e o respeitem, como faz o teu povo Israel, e para que saibam que o teu nome é invocado neste templo que eu construí” (1Rs 8,41-43). É o templo de Jerusalém, a Casa de Deus, aberta para todos os povos da terra, pois Deus quer salvar a todos.  Assim também é a Igreja nos tempos atuais. Nela ninguém é estrangeiro, mas todos pertencem à família de Deus.

 
Eis o ensinamento do Evangelho de hoje: crer de maneira simples e pedir sem duvidar. Saibamos imitar a fé humilde desse centurião. Ele buscou caminhos para se encontrar com o Senhor e obter o milagre que desejava. Foi um caminho feito tendo como base a fé. Saibamos também nós ter um encontro com o Senhor, mas deixemos que Ele também nos encontre.  Comecemos este caminho com a oração, com a prática da caridade e o louvor, para que o Senhor se encontre conosco.  Deixemos também que Jesus entre em nossa vida, em nossa casa, em nossos relacionamentos, para fortalecer nossa fé e para termos uma sólida confiança no poder da sua Palavra e assim, iluminados pela fé, possamos enxergar a sua presença em nosso meio. Assim seja.

D. Anselmo Chagas de Paiva, OSB

Mosteiro de São Bento/RJ

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!