No encontro com autoridades coreanas, Papa destaca a paz

14/08/2014 09:01

No encontro com autoridades coreanas, Papa destaca a paz

Francisco falou da importância de refletir sobre os valores que estão sendo passados para os jovens, em especial o dom da paz

 

Após sua chegada à Base Aérea de Seul na noite de quarta-feira, 13 (22h30 em Brasília e 10h30 de hoje na Coreia), Papa Francisco iniciou suas atividades na Coreia do Sul com a cerimônia de boas vindas e o encontro privado com a presidente do país, Park Geun-hye. Em seguida, encontrou-se com as autoridades e representantes do corpo diplomático, ocasião em que pronunciou seu primeiro discurso em solo coreano, colocação que encorajou esforços pela justiça e paz.

papa_autoridades coreanas

Papa pronuncia seu primeiro discurso na presença da presidente coreana / Foto: Reprodução CTV

 

Falando em inglês, Francisco agradeceu pelo acolhimento recebido e por todos os esforços para que a viagem fosse realizada. Mencionando a beatificação que ele presidirá dos 124 mártires coreanos, ele destacou a compreensão que a cultura coreana tem acerca da dignidade e sabedoria dos antigos.

“Nós, católicos, honramos os nossos antigos que sofreram o martírio pela fé, porque se prontificaram a dar a vida pela verdade em que acreditaram e de acordo com a qual procuraram viver. Ensinam-nos a viver plenamente para Deus e para o bem do próximo”.
Tão importante quanto estimar as tradições ancestrais é valorizar os jovens, explicou o Pontífice referindo-se à 6ª Jornada da Juventude Asiática. Ocasiões como essa, disse o Papa, oferecem a oportunidade de ouvir a juventude e pensar se cada um transmite adequadamente os valores às gerações futuras.

Nesse sentido, o Papa destacou a necessidade de transmitir aos jovens o dom da paz, um apelo que tem significado especial para a Coreia que sofreu muitos anos por falta de paz. Reconhecendo os esforços em favor da reconciliação e estabilidade na Península Coreana, ele encorajou tais iniciativas. “A busca da paz por parte da Coreia é uma causa que nos está particularmente a peito, pois concorre para a estabilidade de toda a região e do mundo inteiro, cansado da guerra”.

O Pontífice destacou que a busca pela paz é um desafio para cada um, buscando uma cultura de reconciliação e solidariedade. Citando uma passagem bíblica, ele lembrou que a paz não é só ausência de guerra, mas obra da justiça. “E a justiça, como virtude que é, faz apelo à tenacidade da paciência; não nos pede para esquecermos as injustiças do passado, mas que as superemos através do perdão, da tolerância e da cooperação”.

Referindo-se aos problemas que a Coreia enfrenta, seja em nível político, econômico ou social, Francisco disse ser importante promover o diálogo e a cooperação, dar atenção aos pobres, aos vulneráveis, aos que não têm voz.

“Nutro a esperança de que a democracia coreana há de se fortalecer cada vez mais e que esta nação demonstrará primar também na ‘globalização da solidariedade’ que é hoje particularmente necessária: a solidariedade que tem como objetivo o desenvolvimento integral de cada membro da família humana”.

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!